AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE JOGADORES DE RUGBY COM LESÃO MEDULAR TRAUMÁTICA DO DISTRITO FEDERAL

Estudo piloto

  • Eliene Marques da Silva
  • Francele Lopes Monteiro Tobias
  • Marcela Rufine
  • Karyne Cristina.B. Zardo
Palavras-chave: Qualidade de vida, lesão Medular, fisioterapia e independência funcional.

Resumo

No Brasil ocorrem em média de 6 a 8 mil novos casos de lesão medular por ano, acometendo pessoas entre 10 a 30 anos de idade, o que se refere a 10.000 novos casos por ano e com predomínio da lesão medular traumática. A lesão medular é definida como qualquer lesão na coluna vertebral que possa causar danos neurológicos com sequelas motoras, sensitivas, viscerais, além das funções sexuais do indivíduo. O grau da incapacidade e a extensão das sequelas, na lesão medular, variam de acordo com o nível, com o grau e com o tempo de lesão podendo determinar um quadro de tetraplegia e ou paraplegia. Após a lesão medular os indivíduos passam a vivenciar limitações funcionais, assim se tornam dependentes para realizar atividades do cotidiano, comprometendo todo aspecto físico, psíquico e social. Frente à vulnerabilidade resultante da lesão medular surge a necessidade de maior vigilância, tendo por meta a manutenção da qualidade de vida, ao longo do processo de reabilitação. Objetivo: Avaliar a qualidade de vida de jogadores de Rugby com lesão medular traumática. Métodos: Um estudo de análise do tipo transversal, realizado no período de março a maio de 2018, feito por meio de uma amostra por conveniência com atletas da Brasília Quad Rugby composta por 9 atletas com lesão medular. Resultados: Os dados sociodemográficos dos atletas de Rugby do Distrito Federal, há um predomínio dos atletas do sexo masculino (89 %). Verifica-se que a faixa etária atual com maior frequência é de 31 a 40 anos (67 %), casados (56%). De acordo com o nível neurológico houve maior comprometimento na coluna cervical (56%), classificados como tetraplégicos. Os atletas apresentaram uma boa qualidade de vida com (67%) e quão satisfeitos com a saúde (67%). Nos domínios físico e psicológico obtiveram maiores escores em relação aos domínios meio ambiente e relação social. Discussão: O presente estudo nota-se que em geral a qualidade de vida dos participantes não difere entre eles, uma vez que todos levam uma vida ativa e esportiva, mostrando que a prática de exercícios é essencial e contribui além do aspecto físico na qualidade de vida dos mesmos. Conclusão: Neste estudo foi possível avaliar com segurança a qualidade de vida dos participantes através do instrumento World Health Organization Quality of Life que permitiu expor resultados confiáveis e fidedignos durante a pesquisa. Nota-se que os indivíduos jogadores de Rugby levam uma vida ativa e satisfatória em relação a sua qualidade de vida em geral. Concluímos que Lesão medular tem uma prevalência traumática e acomete mais pessoas do sexo masculino com idade média entre 31 a 40 anos. Descritores: Qualidade de vida, lesão Medular, fisioterapia e independência funcional.

Publicado
2019-06-02